Imagem-Curta-Metragem-A-alma-do-negocio

Em preparação para o Enem

Acervo: A Alma do Negócio (Curta-metragem). Assista o curta no Porta Curtas, para acessar clique aqui.

Já parou para prestar atenção na quantidade de anúncios com os quais temos contato todos os dias. Pela TV, rádio, internet, anúncios em jornais e revistas, outdoors… Há uma verdadeira overdose de propagandas ao nosso redor e, por incrível que pareça, tudo já nos é tão natural que nem ao menos nos damos conta ou mesmo nos sentimos ofendidos em relação a este massacre a que somos submetidos. E por que tudo isso? Para que realmente nos interessemos em comprar e, mais que isso, realizemos tal ação. Tudo está à venda: De automóveis a margarinas, de livros a computadores, de casas a eletrodomésticos… Como lidar com isso? E nossas crianças e adolescentes, de que forma devem ser instruídas quanto ao consumo?

O curta-metragem “A Alma do Negócio”, dirigido e roteirizado por José Roberto Torero, faz com que, ao mesmo tempo em que a cômica história se desenrola na tela, nos colocando em contato com um casal em seu cotidiano e como sua relação é permeada o tempo todo por produtos e serviços, tenhamos que refletir sobre o quanto dessa narrativa, guardados os exageros próprios da linguagem cinematográfica, estão presentes em nossas vidas.

E, ao fazer isso, dentro de uma linha de humor inteligente que aos poucos migra para o humor negro, Torero nos provoca não apenas a rever nossos hábitos de consumo, mas a pensar de uma forma mais global, imaginando a repercussão do consumo de cada um para os destinos do planeta e da necessidade de pensarmos e agirmos de forma mais sustentável. 

É um grande desafio, não há dúvidas quanto a isso. Enfrentamos a cultura estabelecida, pautada em valores de uma sociedade de mercado, onde tudo se vende e se compra, até mesmo o que não precisamos, para o que somos induzidos e levados ao consumo pela propaganda. Neste sentido, vencer a batalha contra o consumo desenfreado e irracional, é uma batalha de desiguais, na qual de um lado estão as pessoas que atingem maior consciência quanto aos custos reais deste consumismo e, do outro, estão empresas, governos, meios de comunicação de massa, a publicidade…

Nosso universo depende muito da conscientização das novas gerações quanto ao consumo. Estipulamos depois da Revolução Industrial que não existiriam limites para o que consumimos e o planeta Terra tem respondido, ao longo das últimas décadas que não é bem assim, ou seja, que estamos exaurindo suas possibilidades de repor recursos. A natureza está pedindo socorro e precisamos nos articular por ela e por toda a vida aqui existente, inclusive a nossa. Para preservar precisamos consumir de forma consciente, agindo nos conformes daquilo que é chamado de desenvolvimento sustentável… Não há outro caminho…

Assista o curta, faça anotações, tire suas conclusões sobre o tema, busque outras referências e se aprofunde para compor uma redação sobre o tema!

Por João Luís de Almeida Machado